Aplicação da tecnologia assistiva para o desenvolvimento de uma classe ajustável para cadeirantes

Jaqueline Menezes Krüger, Alexandre Rodrigues Ferreira

Resumo


Referindo-se a um projeto direcionado para Portadores de Necessidades Especiais (PNE), com o apoio da tecnologia assistiva, este trabalho estabelece uma relação direta do ambiente alfabetizador com a responsabilidade da inclusão social. Isso a partir do desenvolvimento de um mobiliário escolar universal. Partindo da fundamentação do tema e, por meio dos pontos negativos identificados nos produtos comercializados dessa ordem, foram determinadas as metas a serem exercidas no atual projeto, visando soluções cabíveis e práticas. O projeto desse mobiliário escolar ajustável para PNE constitui uma forma de integração do aluno cadeirante à sala de aula. Não houve adaptações grosseiras ou provisórias com base no estudo formal adequado e inovador a partir das restrições ergonômicas e, aliado à aplicação de materiais adequados à tarefa. Como resultado, a classe ajustável para cadeirantes concentra caracteristicas estruturais benéficas e qualidades intrínsecas de bem-estar e satisfação ao usuário. Bem como sua função específica de uso durante o aprendizado e trabalho, dispondo de atributos inclusivos à sociedade.


Palavras-chave


Tecnologia assistiva; Portadores de necessidades Especiais; Mobiliário Escolar; Inclusão social; Cadeirante.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALIBABA. Disponível em: . Acesso em: 01 Mai. 2011.

ALVES, D. O. Sala de recursos multifuncionais: espaços para atendimento educacional especializado. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação

ASSIS, Caroline Penteado de; MARTINEZ, Cláudia Maria Simões. A inclusão escolar e utilização de tecnologia assistiva para alunos com sequelas de mielomeningocele: opinião dos professores. Rev. Educ. Espec., Santa Maria, v. 24, n. 39, p. 93-112, jan./abr. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Móveis escolares, cadeiras e mesas para conjunto aluno individual. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

BEZERRA, Jorbson. Educacional. Disponível em: . Acesso em: 11 Mai. 2011.

BONSIEPE, Gui et al. Metodologia Experimental: Desenho Industrial. Brasília: CNPq/Coordenação Editorial, 1986.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Portadores de Deficiências Físicas. Acessibilidade e utilização dos equipamentos escolares. Caderno Técnico I n° 1. Brasília: Programa de Educação Básica para o Nordeste, 1997.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos direitos da pessoa com deficiência -

BRASILIA. Ministério da Educação. Ensino fundamental: mobiliário escolar. Cadernos Técnicos I n°3. Brasília: FUNDESCOLA – MEC, 1999.

BRINQI. Disponível em: . Acesso em: 01 Mai. 2011.

COPLEY, J.; ZIVIANI, J. Barriers to the use of assistive technology for children with

CORDE. Comitê de ajudas técnicas, 2007. Disponível em: Acesso em: 19 set. 2013.

Disponível em: Acesso em: 21 de Abr. 2011.

FERREIRA, Carlos Alberto Mattos; RAMOS, Maria Inês Barbosa. Psicomotricidade: educação especial e inclusão social. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2007.

FERROLI, P.C. et al. Método paramétrico aplicado em design de produtos. Revista Produção Online. Florianópolis, v. 7, n. 3, 2007.

FILHO, João Gomes. Ergonomia do objeto: sistema técnico de leitura ergonômica. São Paulo, SP: Ed. Escrituras, 2003.

FLANAGAN, S.; BOUCK, E.C.; RICHARDSON; J. Middle School Special Education Teachers’ Perceptions and Use of Assistive Technology in Literacy Instruction. Assistive Technology: the Official Journal of RESNA. London, UK.25:1, 24-30. Jan 2013.

IBGE. CENSO DEMOGRAFICO 2000. Disponível em: Acesso em: 22 Abr. 2011.

JUTAI, J. et al. Outcomes measurement of assistive technologies: an institutional case study. Technology: the Official Journal of RESNA. London, UK. 8:2, 110-120, 2010.

LIMA, M.A.M. Introdução aos materiais e processos para designers. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2006.

LÖBACH, Bernd. Design Industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. Rio de Janeiro: Ed. E. Blücher, 2000.

LOVARINI, M.; MCCLUSKEY, A.; CURTIN, M. Editorial: Critically Appraised Papers Limited high-quality research on the effectiveness of assistive technology. Australian Occupational Therapy Journal, v. 50, p. 53, 2006.

MAIA, F.; NIEMEYER, L.; FREITAS, S. Tecnologia Assistiva: entendendo o processo. In: MORO, A.R.P. Ergonomia da sala de aula: constrangimentos posturais impostos pelo mobiliário escolar. Buenos Aires, n. 85, jun. 2005. Disponível em: Acesso em: 29 Abr. 2011.

multiple disabilities. Occupational Therapy International, v.11, n.4, p.229-43, 2004.

NOVOTEC. Disponível em: Acesso em: 01 Mai. 2011.

OLIVEIRA, M.. 2011. Cadeirantes ainda enfrentam dificuldades. Disponível em:< http://www.nossametropole.com.br/noticias-geral/11220-cadeirantes-ainda-enfrentam-dificuldades-leis-nao-sao-respeitadas-em-camacari.html>. Acesso em: 16 Mai. 2011.

PANERO, J.; ZELNIK, M. Dimensionamento humano para espaços interiores: um livro de consulta e referência para projetos. México: GG, 2002.

PENNY, R.; GAYL, B. Consultation, Collaboration, and Coaching: Essential Techniques for Integrating Assistive Technology Use in Schools and Early. Journal of Occupational Therapy, Schools, & Early. London, v. 5, n. 1, p. 15-30, 2012.

PERI MÓVEIS. Disponível em: Acesso em: 25 Mai. 2011.

SASSAKI, R.K. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. 5 ed. Rio de Janeiro: WVA, 2002.

SCHERER, M. J. et al. Predictors of assistive technology use: The importance of personal and psychosocial factors. Disability and Rehabilitation, v. 27, n. 21, p.1321-1331, 2005.

SEM BARREIRAS. Mobiliário escolar. Disponível em: Acesso em: 25 Mai. 2011.

SIMÕES, Darcilia; POLTRONIERI, Ana Lucia; FREITAS, Maria Noêmi (Orgs.). A contribuição da semiótica no ensino e na pesquisa. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2010.

SIMÕES, J.F. Manual de apoio às ações de formação do projeto Design Inclusivo. Iniciativa Equal. 2007.

TAKATORI, M. O brincar no cotidiano da criança com deficiência física: reflexões sobre a clínica da Terapia Ocupacional. São Paulo: Atheneu, 2003.

TEAGUE, P. WILSON, R. Exclusão social, inclusão social. Rumo a uma sociedade inclusiva. Belfast, UK: Diálogo Democrático, v. 2, 1995.

UMPHRED, D.A. Fisioterapia Neurológica. São Paulo, SP: Manole, 1994.

VARELA, Renata Cristina Bertolozzi; OLIVER, Fátima Corrêa. A utilização de Tecnologia Assistiva na vida cotidiana de crianças com deficiência. Ciência & Saúde coletiva [online], v. 18, n. 6, p. 1773-1784, 2013.

VASCONCELOS, Luciana Rodrigues; PAGLIUCA, Lorita Marlena Freitag. Mapeamento da acessibilidade do portador de limitação física a serviços básicos de saúde. Escola Anna Nery, v. 10, n. 3, p. 494-500, 2006.




e-ISSN 2175-8018


Creative Commons License
IJIE - Iberoamerican Journal of Industrial Engineering foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Iberoamerican Journal of Industrial Engineering. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Florianópolis, SC, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial do IJIE, encaminhe um e-mail para periodico.ijie@gmail.com ou ijie@contato.ufsc.br